Testemunho | Chorei todos os dias durante semanas

Foi o meu irmão que me convenceu a enviar o testemunho que vou partilhar.

Convenceu-me porque ele sabe que eu preciso de desabafar, porque nunca falo sobre isto mas muitas vezes tenho vontade.

Eu já conhecia o blog, mas não me sentia capaz de partilhar uma fase tão difícil que não foi vivida por mim na primeira pessoa.

Mas vi que nem sempre é a primeira pessoa que tem partilhado a experiência e decidi escrever.

Venho contar a caminhada de luta que o meu marido passou.

Estava eu grávida de 2 meses da nossa filha quando o meu marido começou a ter vários sintomas que não estava bem.

Na altura preocupamo-nos pois estando eu grávida não convinha apanhar gripes ou outro tipo de coisas similares.

Ele tinha febre, cansaço, pouca energia, dormia muito mal e então depois de uma ida ao centro de saúde era sem dúvida uma gripe.

Foi medicado e a febre lá ia e voltava. Ele continuava cada vez mais cansaço e com menos força.

Voltámos ao médico e nas analises aparecia uma infecção. Portanto, tinha sido um vírus ou qualquer coisa semelhante. Mais medicação e nem por isso as coisas melhoravam.

No dia que fiz 5 meses de gravidez fomos a mais uma consulta e durante a ecografia o Renato caiu desmaiado no chão.

Ao inicio houve a brincadeira da emoção, porque se ele queria assistir ao parto, como era se não aguentava uma ecografia.

A minha médica chamou o enfermeiro que rapidamente o levantou e sentou na marquesa.

Depois de beber água e de brincar com a situação disse que não se estava a sentir bem.

A minha médica olhou para ele, foi falar com um colega e perguntou-nos se tínhamos tempo, assim ele era visto por outro médico.

E foi assim, fez exames e 8 dias depois soubemos o resultado.

O Renato tinha leucemia.

Não me lembro o que senti ou pensei, porque devo ter apagado durante algum tempo.

Os primeiros tempos foram terríveis, não tenho outra forma de descrever esses momentos.

Chorei todos os dias durante semanas.

O Renato escondia-se para chorar, mas também chorava.

Tudo começou de uma forma muito rápida e sem eu me aperceber fiquei sem o Renato, ele foi internado e eu tive que ficar de repouso absoluto fechada em casa.

Nem eu podia estar com ele, nem ele comigo em casa.

Foi um autêntico desespero.

Valeram-nos os amigos e o meu irmão.

Mas as pessoas também se esgotam e têm a vida delas e passei muito sozinha e o Renato também.

Quando a Maria nasceu o Renato não a conseguiu ver, estava muito debilitado na altura, os tratamentos eram muito agressivos e ele estava cada vez mais fraco.

Eu não me conseguia desdobrar e durante algum tempo, sentia que o estava a abandonar.

Excepto o meu irmão, a nossa família viveu isto de uma forma muito peculiar e raramente esteve presente.

E deve haver poucos momentos na vida tão difíceis como ter um recém-nascido em casa que não me deixa fazer nada e um marido internado em estado muito complicado.

Mas a nossa Maria deu-lhe uma força muito grande e a vontade de ele vir para perto da Maria falou mais alto e ele começou calmamente a melhorar.

Os meses passaram e conseguimos a paz que precisávamos.

O Renato conseguiu melhorar, mesmo que depois tivesse voltado a piorar e voltado ao internamento, acabando mesmo por precisar de um transplante.

Mas hoje, está tudo bem.

Estamos todos bem. Em paz.

Tivemos a sorte de conseguir um dador, o transplante correu muito bem e agora vivemos em pleno os três, com o meu irmão por perto.

Como disse em cima, escrevi este testemunho para desabafar, para exteriorizar aquilo que raramente partilho e para mostrar que por vezes a vida é muito difícil, muito estranha e que não entendemos porque as coisas acontecem.

Mas também que temos que ter muita força e lutar para conseguirmos o pleno.

Agradeço à minha médica que sempre me apoiou, ao hospital, aos profissionais de saúde que me substituíram sempre que não pude ir às visitas e sobretudo ao meu irmão, que mudou de cidade e de vida para nos ajudar e ao dador que tornou possível a vida do Renato.

E não é porque a família nos vira as costas que somos menos capazes seja do que for.

Só não nos podemos agarrar a essas coisas, temos que conseguir ignorar mesmo que seja difícil e seguir em frente.

E também não nos podemos culpar, porque cada um é livre de escolher ficar ou abandonar.

Temos que saber viver com isso e aprender essa lição.

Hoje somos os 4, eu, o Renato, a Maria e o meu irmão e somos muito felizes.

Sejam dadores, ajudem quem precisa.

Por favor, sejam dadores.

 

 

Fotografia meramente ilustrativa. 
Créditos da fotografia: Fernando Pereira

Corrente Positiva:

Testemunhos reais de pessoas que inspiram

Testemunho | Pedro, o Ironman

Testemunho | Afinal eu venci o cancro e todos os dias faço questão de esfregar o meu sorriso na ‘cara’ dele

Testemunho | Sou uma mulher inteira, porque o cancro não me levou nada que eu não tivesse deixado

Testemunho | E como a intuição de Mãe nunca falha, também esta grande luta foi vencida

Testemunho | Não devemos ter vergonha de dizer a palavra cancro

Testemunho | Só venci isto, porque nós as duas somos a equipa perfeita!

Testemunho | O meu filho ensinou-me a ser mais e melhor. Ensinou-me o amor puro

Testemunho | O que já não estava nas nossas mãos, passou a estar nas suas

Testemunho | Para uma menina especial

 

Já me segues no Facebook e no Instagram? ♥

One Reply to “Testemunho | Chorei todos os dias durante semanas”

  1. <3 Força!

Deixe uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Coisas FABULOSAS acontecem a quem subscreve esta newsletter!
Maria Amélia ícone
error: Conteúdo protegido!!
%d bloggers like this: