O Cancro e a Alimentação

Hoje venho falar do Cancro e a Alimentação durante a fase da quimioterapia.

Este é talvez dos temas mais polémicos que eu possa escrever aqui no blogue.

Digo polémico porque cada pessoa tem a sua experiência e às vezes é difícil, aceitarmos a opinião dos outros.

Mas como tenho recebido tantos e-mail’s sobre este tema, venho partilhar a minha experiência na esperança de ser útil para alguém desse lado.

Cada médico também tem a sua teoria sobre isto, o meu por exemplo (aquele que gosto muito que falei aqui) diz sem medo algum, que não domina o tema da nutrição e remete-se ao silêncio, enviando os doentes para “quem sabe”, como os nutricionistas por exemplo. Mesmo os nutricionistas têm entre eles opiniões muito contraditórias.

Por isso, hoje venho falar da minha experiência, sem ser dona da verdade ou inundar-me em certezas absolutas.

Quando fiquei doente tinha uma alimentação dita normal, ou seja, comia de tudo um pouco sem grandes exageros, mas também sem grandes preocupações.

Na altura, quando comecei a quimioterapia, lembro-me de questionar os médicos sobre o que poderia comer.

“Come o que te apetecer…”

E eu achei esta resposta no mínimo estranha, porque se iria fazer um tratamento altamente agressivo como poderia eu fazer a mesma alimentação!?

Tinha que arranjar um armamento para ajudar o organismo e ao mesmo tempo para me fortalecer e assim conseguir tirar melhor proveito do tratamento.

Comecei então a investigar, li alguns estudos e pedi dicas a quem já andava na luta.

Fui fazendo as coisas sempre com bom senso e mesmo não havendo “provas” científicas para muitas das decisões que tomei, penso que fiz o mais correcto para mim.

Cancro alimentacao1Créditos Fotografia:Pezibear

Cada cabeça, sua sentença e o que vou escrever a seguir foi o que resultou comigo durante o tratamento de quimioterapia:

>Aumentei o consumo de água, bebia cerca de 2 a 2,5l/dia (dizem que as células cancerosas não sobrevivem em ambientes alcalinos, e a água do Monchique –vende-se em qualquer supermercado- é considerada uma aliada nesta fase derivado às suas propriedades naturais);

>Retirei a lactose. Ao início ainda bebi leite de soja, mas depois acabei por enjoar e deixei mesmo de consumir leite de qualquer espécie ou mesmo iogurtes. Comia apenas queijo fresco e requeijão (ambos sem lactose) enquanto lacticínios;

>Não consumia fritos nem panados;

>Não consumia qualquer alimento em cru, seja fruta, salada, sushi, mariscos. Optava por fruta e legumes cozidos, quanto ao sushi e mariscos deixei para bem depois do tratamento (e não me fizeram assim tanta falta!).

>Acompanhava todas as refeições com legumes (preferia os de folha verde);

>Ingeria batidos de fruta cozida, principalmente frutos vermelhos e beterraba (poderosos anti-oxidantes);

>Bebia vários chás (camomila, vermelho, hortelã) que ajudam a “limpar” e a renovar o organismo, nomeadamente o chá de gengibre diariamente que para além de me ajudar com os enjoos, é um forte anti-inflamatório;

>Abandonei totalmente os açucares e farinhas brancas, preferindo alimentos integrais;

>Não consumia carnes vermelhas, optei por frango/peru (de preferência biológicos) sempre grelhado ou cozido;

>Consumia ovos (quase sempre cozidos) biológicos;

>Troquei o sal por outros temperos como ervas aromáticas secas (evitei as frescas durante o tratamento);

>Consumia peixe (principalmente de carne branca, mas também salmão) cozido ou grelhado;

>Para cozinhar ou temperar usava apenas azeite virgem (em poucas quantidades);

>Evitava sempre alimentos processados (até porque deixavam-me o estômago do avesso!).

 

Para além disso fui buscar “forças” a suplementos naturais, como xaropes, chás, com alguns componentes bem conhecidos de todos nós como o aloé vera por exemplo.

Hoje não vou falar dos superalimentos e sementes (que entretanto comecei a consumir) para não baralhar, mas brevemente aprofundarei mais este tema, entretanto podem encontrar já alguma informação aqui: Eat Clean.

 

Depois conforme falei aqui sobre os efeitos secundários, tive que ir adaptando a dieta às muitas complicações que fui tendo.

Mas penso, que não é difícil ajudarmos o organismo nesta fase, com bom senso e escolhas equilibradas só vamos ajudar o processo.

Cancro alimentacao2Créditos Fotografia: Alex Koch

E claro que uma vez por outra, podemos sempre comer aquele prato que tanto gostamos mas que nesta fase é pouco recomendado, também não vamos ser mais papista que o papa, mas lembrem-se sempre sempre do bom senso.

E também que o corpo que leva com uma quimioterapia fica com as defesas comprometidas e que precisa de nós para o ajudar, temos que ter cuidado com as escolhas que fazemos para não o prejudicarmos ainda mais.

Hoje em dia o tema da alimentação está bem mais esmiuçado do que na altura que fiz quimio, por isso, explorem bem que vão encontrar inúmeras informações.

Há sempre uma hipótese saudável que podemos escolher quando nos dá aquele aperto de nos enchermos de “porcarias”, pelo menos durante o tratamento aguentem um bocadinho e guardem a facada na dieta quando for um dia especial! Acreditem em mim, faz toda a diferença.

É verdade que este tema ainda é dúbio para muitos médicos, ainda tem pouco peso, mas em muitos países, a alimentação é a forte aliada do tratamento de quimioterapia e mesmo na corrida da luta contra o cancro.

Há muitos estudos que provam, o quão importante é a alimentação no decorrer de um tratamento contra o cancro, e não sou eu que digo.

Encontram facilmente estes tratamentos na internet, em livros, documentários.

Já disse isto antes, mas quero sempre afirmar que não sou médica, nem nutricionista, sou apenas uma doente oncológica com experiência de 10 anos, onde partilho o que fui aprendendo.

Há ainda uma lista de alimentos anti-cancro que um dia destes falarei sobre isso.

Vão passando por cá que irei partilhar algumas receitas saudáveis que comecei a incluir na minha alimentação após diagnóstico oncológico e principalmente após ter decidido que queria ter uma vida mais saudável.

Isto é como o slogan da Matinal mas um bocadinho diferente:

“Se não cuidarmos de nós, quem cuida?”

Cancro alimentacao3Créditos Fotografia: Kreuzfeld

Força!

E qualquer coisa já sabem…

Escrevam: [email protected]

 

Tudo sobre o tema Cancro aqui.

 

Créditos Fotografia: Jakub Kapusnak

6 Replies to “O Cancro e a Alimentação”

  1. Você já assistiu o filme Food Matters? Ele fala justamente sobre isso, como a alimentação (saudável) pode ser um aliado para a cura de doenças. Recomendo: http://www.imdb.com/title/tt1528734/ 🙂

    1. Olá Camila!
      Não vi, mas vou ver… OBRIGADA <3
      Beijinhos**

  2. UAU! Quantas dicas valiosas que acabam servindo como indicações de melhoramento da saúde para quaisquer pessoas em quaisquer casos. É claro que buscar um profissional é fundamental, porque cada um vai ter que encaixar em suas próprias necessidades e estudos internos, mas alguns detalhes creio que sejam basicamente “universalmente” úteis. Tento cortar a lactose faz tempo e ainda não consegui… Vamos à luta! Rs.

    http://WWW.SEMQUASES.COM

    1. Tento partilhar o que aprendi e o que resultou comigo na esperança que resulte com mais alguém também!
      Beijinhos Vanessa**

  3. Essas são dicas valiosíssimas pra quem passa por um tratamento como esse. Por mais que um profissional diga que não precisa mudar sua dieta, nós conhecemos nosso corpo, e o expor menos aos riscos quando passar por um tratamento como a quimioterapia é uma coisa boa, mesmo que não comprovada cientificamente. No pior dos casos, cuidamos mais da nossa alimentação 🙂

    1. Sim, a alimentação tem que ser um aliado.
      Beijinhos Bruna***

Deixe uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Coisas FABULOSAS acontecem a quem subscreve esta newsletter!
Maria Amélia ícone
error: Conteúdo protegido!!
%d bloggers like this: