“TENS CANCRO!”

Tenho recebido muitos emails e não me canso de vos agradecer (OBRIGADA ♥).

Hoje venho falar de um tema que entra na nossa vida de rompante.

Não há formula mágica para “encaixar” esta notícia, mas há formas de ajudar a aceitar.

Primeiro vou falar-vos no meu caso, para verem o quão longe de perfeita eu sou e de nem sempre saber fazer bem as coisas!

 

Eu nunca imaginei que estivesse com um cancro, mas nunca mesmo.

Eu estava doente, não se sabia ao certo o que era, andava em tentativas-erro em vários médicos e entretanto acharam (mal) que era uma pneumonia.

Depois de andar a fazer o tratamento para a pneumonia que nada fez, voltei a fazer mais exames e a notícia chegou assim:

“Tens cancro!”

Na minha cabeça um vazio… parecia que estava dentro de água. Deixei de ouvir por segundos. A médica continuava a falar, porque eu vi que ela mexia os lábios, a minha mãe estava sentada ao meu lado…

Quando voltei a mim tive a certeza que seria um erro médico.

Na altura lembro-me de a médica ter dito que seria preciso fazer mais uns exames com uns nomes que hoje que são familiares, mas na altura nunca tinha ouvido falar e eu quis fazer tudo o mais rápido possível (mesmo sendo véspera de Natal), porque eu tinha a certeza que não podia ter um cancro.

 

Primeira lição:

Não existem certezas.

Segunda lição:

Mas eu não podia ter um cancro porquê?

 

A verdade é que tinha e tive que encaixar a notícia.

Mas confesso que durante alguns dias, continuava segura que seria um erro médico.

Acho que só acreditei no primeiro dia da quimioterapia quando senti o liquido frio a entrar-me pelas veias.

Mas, depois de muitos anos e de ter conhecido muitas pessoas que passaram pelo mesmo tenho umas “dicas” para partilhar.

Começo já por dizer que não há uma maneira simpática de levar o chapadão do diagnóstico. É levar e cair no chão. Nunca me vão convencer que é fácil levar com esta notícia, porque não é!

 

Mas há coisas muito importantes:

 

Confia nesse médico? Ainda bem. Mas por de trás dessa bata branca imaculada há um ser humano, e por vezes o ser humano pode errar. Aceite o diagnóstico mas procure segundas opiniões. Não tem mal nenhum e não significa que vá dar uma facada ao médico. Ele é seu médico, está a trabalhar, não é o seu melhor amigo e não pode ficar “magoado” consigo, só porque quer uma segunda opinião. Se não se sentir seguro/a ou confortável com esse médico, mude já! Não queira fazer esta viagem com alguém que não confia.

 

Tente perceber ao máximo o diagnóstico. Quanto mais informado/a estiver melhor é. Depois de perceber o diagnóstico, esmiúce ao máximo os planos de tratamento. Perceba porque escolheram este tratamento para si. Não tenha receio de estar a “chatear” o médico. Entenda que eles são pagos para isso. Para explicar tudo aos doentes. Para apresentarem os planos possíveis de tratamento e para apresentarem (caso existam) várias soluções.

 

Não tenha vergonha de chorar e de ficar triste. Acabou de receber uma das piores notícias da sua vida, pode ter a reacção que quiser, não tenha vergonha. Se ficar perturbado/a peça uma segunda consulta com o médico para o dia seguinte e faça-se acompanhar de um familiar ou amigo afim de fazer todas as perguntas. Não tenha vergonha de assumir que está abalado/a.

 

A seguir vem a outra parte.

E agora? Como é que vou contar às pessoas? A quem conto? Como? O que vão pensar?

É fácil. Escolha as pessoas que sabe que não lhe vão falhar. Que vão estar lado a lado consigo. Conte a quem o seu coração achar que deva contar. Vai perceber quem são. Mais para a frente, irei falar do quão importante é escolhermos as pessoas certas ao nosso lado nesta viagem.

Fale abertamente sobre a doença, chame-lhe cancro, até porque é assim que ele se chama! Fale do diagnóstico e do tratamento. Não tenha medo de falar. Quanto mais abertamente falar, menos deixa margem para especulação. Se entender que não quer contar a muitas pessoas, então assim seja. Conte a quem achar que deva contar. Escolha sempre o que for mais confortável para si, sem se preocupar com aquilo que o “mundo” vai pensar. Neste momento, não há espaço para isso.

Se tiver boa relação com a sua família, não hesite em envolve-la no processo. Deixe-a questionar o médico, deixe-a pesquisar soluções.

 

As pessoas são todas diferentes e vai perceber isso quando contar que tem um cancro. Têm todas reacções diferentes. Ora começam a chorar, ora começam a disfarçar, ora começam com discursos motivadores com o lábio superior a tremer, ora mostram que são indiferentes. Estes últimos mande-os logo embora, não vão servir para esta fase, guarde-os para quando for beber um gin e celebrar a vida no fim do tratamento. Agarre-se aos outros, porque esses sim, cada um à sua maneira, estão com medo de perdê-lo/a. Nesta altura (e em todas da vida, mas principalmente nesta) evite pessoas tóxicas.

 

As mil e uma perguntas que surgem na cabeça logo a seguir que se sai da consulta! Ah pensavam que era só com vocês que isso acontecia? Não! É com todos.

Ligue para o médico, aponte tudo o que tem que perguntar num papel e leve para ele lhe responder. Não fique com dúvidas, não se deixe contaminar por questões que às vezes não têm peso nenhum, mas até saber andam a tirar-lhe a paz.

 

Converse com alguém que já passou pelo mesmo! Acredite que ajuda. Na altura eu não conhecia ninguém e não foi uma boa experiência. Por vezes a partilha de histórias ajuda na esperança e faz-nos acreditar que vamos ser capazes. Tirem dúvidas e oiçam as dicas, ninguém melhor do que quem já passou pelo mesmo para ajudar. À medida que fui fazendo o tratamento e fui conhecendo pessoas que também estavam no mesmo barco, percebi que quando se “fala a mesma língua” é mais fácil e o medo do desconhecido diminui.

Porém cuidado, evite conversas de sala de espera com pessoas que só trazem histórias dramáticas. Filtre bem as pessoas. Nesta altura, não se pretendem aquelas histórias que não acrescentam grande coisa.

E a melhor parte da partilha, é percebermos que não estamos sozinhos!

 

É normal que durante alguns dias veja o mundo mais negro. Que fique desacreditado/a, que perca a fé e se sinta injustiçado/a. Isso vai passar e depois vai começar a dar valor a coisas que anteriormente não dava. Tenha calma e aceite. Não tente ultrapassar o tempo, o relógio nisso é tramado, 24horas serão sempre 24horas. No dia seguinte ao diagnóstico, não finja que foi picado pela mosquita do positivismo porque todos vão perceber que está a tentar disfarçar ou então, os mais distraídos vão achar que se drogou! Nunca se esqueça que super-homem era um tipo que andava com cuecas por cima das calças, por isso é de desconfiar, provavelmente nunca existiu! Você não é nenhum herói. É uma pessoa que tem medos e fraquezas. Aceite.

E ame e deixe-se amar. Use e abuse do AMOR. O amor à vida, ao próximo e principalmente a si próprio.

Por hoje já me alonguei muito!

O próximo texto que irei escrever é o próximo passo a seguir a este. Quando começamos o tratamento.

Agora nunca se esqueça que o cancro não é a sua identidade, é “apenas” uma doença que apareceu, é uma fase que está a começar e como qualquer fase, também vai terminar.

Tenha calma. Acredite.

Um dia de cada vez e os dias vão passando.

Eu prefiro jogar na equipa do realismo, mas se preferir a equipa do optimismo é perfeito também, desde que não jogue no pessimismo.

Aceite a realidade e lute por si.

Tenha sempre uma atitude positiva e de esperança.

Concentre-se nos casos de sucesso, porque há imensos e tendem a ser cada vez mais.

E se for crente, agarre-se à fé!

E nunca se esqueça que não está sozinho/a.

Fica aqui um resumo das dicas, espero ter ajudado.

Tens Cancro

 

22 Replies to ““TENS CANCRO!””

  1. Foi-me diagnosticado há pouco tempo e é verdade que a partilha é muito importante, conheci pessoas que passam pelo mesmo que me tem ajudado muito. Faz bem em partilhar com os outros e ajuda-los. Deste lado vou estar a lê-la. Parabéns

    1. Obrigada pelo seu comentário.
      Espero que esteja tudo a correr bem e que mantenha o espírito positivo.
      Já sabe que não está sozinho!
      Força!!

  2. É isso mesmo. Manter o foco em nós.
    Estou a meio do tratamento, tem estado a correr bem. Estou sempre atenta aos seus textos são muito úteis. Obrigada

    1. Olá Adriana.
      Ainda bem que está a correr bem, muita força e foco 🙂
      Beijinho!

  3. Minha força da natureza!
    ❤️?

    1. Princesa <3
      Beijinho grande

  4. Mais uma vez muito obrigado pela sua partilha!
    Toda a gente que é fustigada por esta doença devia ler este seu texto

    1. Obrigada pelo seu comentário.
      A partilha é um acto de amor 🙂

  5. Muita força… Acredita que tu És e Serás sempre a portadora da força para os que te rodeiam.
    Falo isto porque foi diagnosticado cancro ao meu irmão com 22 anos(agora com 23 quase 24) e era ele quem nos dava força a nós…
    Ele é que estava sempre sorridente e a fazer-nos rir. Nós não faziamos nada além de lhe dar a nossa presença, porque estavamos destruidos e ele é que estava a sofrer e a batalhar nesta luta.
    Por isso Muita Força e a Vitória será tua de Certeza. Beijinhos da Miúda.

    1. Querida Paula,

      Muito obrigada pelo comentário, fiquei emocionada.
      Grande herói o mano, espectáculo!
      Espero que ele esteja bem e que vocês estejam a recuperar…
      Afecta todos.
      Beijinho grande

  6. fernanda carvalho says: Responder

    Acredito que és uma SUPER MULHER!!!!! sempre lutadora,e nunca perder a vontade de viver!!!! Obrigado por este texto lindo!!!! Muitos Parabéns pela coragem de partilhar a tua história. Beijinhos

    1. Muito obrigada!
      Beijinhos 🙂

  7. Muitos Parabéns, Maria Amélia!
    Este seu texto deveria ser impresso e dado a todos os doentes.
    Muito obrigado pelas suas partilhas!

    1. Oh que querida 🙂
      Obrigada e um beijinho!

  8. ❤️???

    1. ❤️❤️ Saudades Peixinho

  9. Minha querida Amélia, tu realmente tens uma missão neste mundo. E aqui vejo o qt continuas a apoiar, dar força a outras pessoas que passam pelo flagelo deste demónio chamado CANCRO. Eu tive o privilégio de te conhecer e conviver contigo e digo em voz alta ÉS UM AMOR DE PESSOA. Beijinhos do fundo do coração. Tenho muitas saudades tuas.

    1. Querida Sandra, muito obrigada pelo carinho.
      Gosto tanto de ti ❤️
      Beijinhos e saudades!

  10. Obrigada pela partilha ? e penso que realmente e bom partilhar com qiem vive o mesmo?? somos guerreiras e vamos vencer acreditem??

    1. Querida Margarida, obrigada pelo seu comentário. Beijinho ❤️

  11. […] como no post anterior (aqui), vou falar-vos de como foi […]

Deixe uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Coisas FABULOSAS acontecem a quem subscreve esta newsletter!
Maria Amélia ícone
error: Conteúdo protegido!!
%d bloggers like this: