Se eu pedisse uma indemnização ao Linfoma

Este ano faz 11 anos que fiquei doente e, desde então, que por vezes sou convidada para falar/testemunhar em palestras ou encontros.

Sempre o fiz com multo gosto e com a intenção de ser útil para alguém que me possa ouvir.

É a mesma métrica que uso aqui no blogue com este tema, espero sempre conseguir chegar a alguém como fonte de esperança, sem ilusões ou dramas, sem certezas absolutas, mas com a certeza da minha história e experiência, com a minha verdade. Porque acima de tudo, acredito que partilhar é um acto de amor.

Então foi numa dessas palestras que me fizeram uma pergunta que me deixou sem resposta. Talvez a única até hoje.

E como hoje é Dia Mundial do Linfoma, decidi partilhar convosco esse episódio que me marcou.

“E se tivesse que pedir ao Linfoma uma indemnização por tudo o que já passei, quanto seria?”

Que soco no estômago.

Nunca tinha pensado nisso.

E de repente dei por mim, que nem merceeiro de lápis na orelha a fazer contas de cabeça.

Ora bem:

Tive cerca de 1 ano para ser diagnosticada com dores horríveis, quanto é que cobro por isto?

Depois uma batelada de exames sem fim. Aqui seria mais quanto?

Noites muito mal dormidas. Se cada noite custar o mesmo que um hotel de 5*, ainda são uns trocos valentes?

Quando chega o diagnóstico, o valor sobe lá para cima em flecha. O choque, o medo.

As biopsias, as cirurgias.

As quimioterapias.

A queda do cabelo.

A queda das unhas.

Transfusões de sangue, glóbulos, plaquetas.

Idas ao bloco operatório.

Quilos e quilos de espetadelas.

TAC’s, Ressonâncias, PET’s.

12346324552 análises.

Radioterapia.

Fisioterapia respiratória.

Dores sem fim.

Notícias menos boas.

A vela da esperança com a chama fraquinha.

Insónias crónicas.

Pessoas mortas ao meu lado.

E mais tantas, tantas coisas.

E o pior: o medo.

O medo de todos os dias.

E quando dei por mim, a conta já ia astronómica.

De tal ordem, que não consegui dizer o número por ter tantos dígitos.

Portanto, se eu tivesse que pedir uma indemnização ao Linfoma pedia-lhe que nunca mais me chateasse, pelo o que já fez (e fez muito), e porque devido às limitações que me deixou, obriga-me a lembrar-me que ele existe na minha vida todos os dias.

Por isso, se puderes… não me chateeis mais.

 

 

 

No ano passado falei deste Dia Mundial do Linfoma aqui.

Mais sobre este tema: Cancro ♥

 

Créditos da fotografia: Maxime Bhm

4 Replies to “Se eu pedisse uma indemnização ao Linfoma”

  1. BRAVO!
    Gosto tanto dos teus textos. De todos, mas estes, com este assunto tão complicado, são os que gosto mais.
    Mais crus e sentidos.
    Verdadeiros.
    Obrigada por partilhares.
    E ele não te vai chatear mais!

    1. Obrigada eu por me leres! ❤️

  2. é mesmo isso…..textos verdadeiros e que gosto tanto dessa tua partilha. E sim, ajudas provavelmente mais pessoas do que imaginas. Tenho a certeza disso. A mim, não só ajudas-te, mas inspiraste-me!!! E muito….acredita!

    Obrigada por seres quem és <3

    1. Obrigada querida. Obrigada do fundo do coração ❤️❤️❤️❤️

Deixe uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Coisas FABULOSAS acontecem a quem subscreve esta newsletter!
Maria Amélia ícone
error: Conteúdo protegido!!
%d bloggers like this: